Login com o Facebook

Home > Anime > Resenha: Garo - Honoo no Kokuin

Resenha: Garo - Honoo no Kokuin

Fonte: Animecote em 8/09/2018
  • Seguir
  • Facebook
  • Twitter
  • E-mail
  • Compartilhar pelo WhatsApp




Por Escritora Otaku


A Temporada de Outubro de 2014 trouxe uma penca de animes e eu bato os meus próprios recordes: três séries novas, onde amei duas e não gostei da que diziam que era boa (não fui com a cara do tal anime, fora que teve a cena mais sem noção de todas e um final bem sem graça), além de duas continuações muito legais. Esta foi das novas, apesar de que o nome é bem famoso, pois se trata de um tokusatsu para o público adulto e um marco para o estilo. Tô tentando ver o original, mas, estou pior que a tartaruga pra assistir...


Só houve apenas um problema: a legenda deste, que na boa, ao lado de “Magic Kaito 1412” foi o clássico abandono da parte dos fansubs definitivos. Parase ter noção, dois fansubs e o máximo que trouxeram foram perto da metade da série; restou ver a versão provisória e pra minha surpresa, achei o anime completo e em boa legenda em um destes fansubs de tokusatsu. E é até comum um anime de temporada só ter uma versão definitiva depois de sua exibição.


Saindo deste desabafo, a série me agradou muito, tanto que até desenhei dois personagens da animação com vestimentas atuais, caso tivessem nascido em nossos tempos. E olha que tornar um tokusatsu em anime, mudando somente alguns detalhes ou manter a estética original é mais comum do que pensam. Vejamos como a primeira animação deste tokusatsu se virou e as semelhanças com o conteúdo original em sua execução.

*****

Ano: 2014

Diretor: Yuuichirou Hayashi

Estúdio: MAPPA

Episódios: 24

Gênero: Ação / Fantasia

De onde saiu: Tokusatsu



Tokusatsu são séries cujo enfoque seja de um personagem ou um grupo encarando impérios, organizações ou criaturas do mal; possui certas variações e desde a década de 60 tem sido uma produção nipônica bastante comum. As franquias mais estabelecidas são os super sentais (grupos), Kamen Riders (um único protagonista ou mais, depende da história), Ultraman(seres gigantes e organizações que lutam contra monstros gigantes), cujas produções oferecem lutas mirabolantes, reviravoltas, drama, boas risadas e que lembram os animes que tanto acompanhamos. No Brasil, algumas destas séries foram exibidas e seu auge ocorreu entre os anos 80 e 90.


A série a ser abordada veio deste meio, no entanto, suas características divergem dos tokusatsu mais conhecidos e é direcionada ao público mais velho, tendo vindo da mente de Keita Amemiya, que atuou em produções deste tipo, impondo sua visão, antes de botar nas telas sua série original. E dela, surge uma franquia que rendeu várias séries de TV, OVAs, filmes e especiais, como também tokusatsu com estilo similar, uns mais, outros menos. Tudo começa com “Garo Kiba Okami” (2005), a primeira da franquia “Garo”: desde então, a história do Cavaleiro Dourado enfrentando os Horrors tem estado presente e revelando um conteúdo com cenas fortes, uso de CGs nas armaduras e efeitos, Horrors e definindo outros tokusatsu a alcançar um público de maior exigência e que queira algo mais desenvolvido e maduro.


Graças a estes fatores, alguns tokusatsu e longas trazem um pouco desta nova visão a um gênero mais que estabelecido nas terras nipônicas. Em 2015 a franquia comemorou seus 10 anos e para festejar o sucesso, seu estúdio Touhokushinsha Film Corporation decidiu em 2014 entrar no ramo das animações ao trazer a franquia para um público maior e mais acessível. Surgem assim, três animes: a que será contada; “Garo: Guren no Tsuki” (2015) e “Garo: Vanishing Line” (2017) ambas produzidas pela MAPPA.


“Garo: Honoo no Kokuin” é a primeira animação baseada no tokusatsu, mas, que segue algumas características presentes nela e apresenta uma maneira diferente de contar a mesma história. Sendo financiado pelo estúdio que trouxe a franquia, digamos que até certo episódio não havia o nome do estúdio envolvido e depois, passou a fazer parte dos créditos da animação. A partir da segunda animação teve mais sorte e estão credenciados desde o começo, mostrando que gostaram desta nova investida.


Sua história remete aos padrões de uma fantasia medieval (nos tokusatsu é nos nossos tempos) onde conhecemos o reino de Valiante: numa grande perseguição às bruxas vemos uma mulher sendo queimada na fogueira, que acaba de dar à luz a um menino, porém a criança é salva por um Cavaleiro Makai de armadura prateada. Anos depois, mais velho, surge o protagonista da série, Leon, que é o portador da armadura título e junto com ele, German, seu pai e quem o salvou quando novo. A missão deles é encarar os Horrors, criaturas que surgem a partir da escuridão dos sentimentos humanos e descobrir quem está por trás desta perseguição incessante e sem escrúpulos. Conforme o andamento da trama, mais gente se envolve nesta empreitada: outro Cavaleiro Makai, Alphonso e a Alquimista Makai, Emma que passam a ajudá-los, onde os esperam muitos desafios e provações num clima medieval.


Como visto, o enredo é deveras simples e tem certas heranças de sua versão tokusatsu, como o estilo episódico que pode irritar um pouco os que querem uma narrativa que liga os fatos; as armaduras são em CGs, ou sendo mais específico, Cel Shading; a presença dos Horrors; a estética de luta dos cavaleiros e a interligação dos fatos perto do final de cada fase; traço dos personagens bem estilizado e simples e com uma dublagem padrão, com alguns destaques.



Outro fato bem curioso é de quem canta os temas de abertura da animação, que também aparece na versão tokusatsu. Falando de aberturas, “Honoo no Kokuin” teve duas: a primeira “Divine Flame”, embalada no melhor estilo das aberturas de tokusatsu e visual estilizado; a segunda foi “B.B.”, com um ritmo mais encorpado e com o destaque para a armadura dourada, com visual mais direto. Ambas são cantadas pela banda JAM Project, que desde a primeira série da franquia emprestam suas vozes para as aberturas e aqui não foi diferente.



Para sua primeira investida no ramo dos animes, “Garo: Honoo no Kokuin” pode cumprir com seu objetivo e sim, não é o primeiro neste aspecto – “Kikaider The Animation” (2000); “Barom ONE” (2002); “Giant Robo The Animation” (2007), entre outros também são animações provenientes de tokusatu – mostrando uma faceta a um público maior e aproveitando aspectos que só em animação são possíveis. Quem não tiver certeza de ver a versão tokusatsu e queira dar uma olhadinha no que esperar, a série pode ser uma porta de entrada e tanto.

***** 
SEGUIR ANIME

Acompanhe as outras novidades e conheça a galera que faz parte deste assunto.

COMENTÁRIOS



Carregando Comentários...